08 9 / 2014

30 1 / 2014

Além do que se vê, o podcast - número 2

Eu, Paulo Terron e Rodrigo Salem falando mais algumas groselhas sobre cinema e TV. Na segunda edição (além das minhas fungadas de resfriado), a polêmica do tweet de Ana Maria Bahiana sobre Ben Affleck, Quentin Tarantino puto com o vazamento de um roteiro, Quando Eu Era Vivo e mais. 

Ouçam aqui ou assinem no iTunes    :)

30 1 / 2014

Thank you, Australia!

"You’re beautiful! A little bit sunburned, but beautiful!"

27 1 / 2014

Human after all

16 1 / 2014

numero2197:

true detective, s01e01.

(Fonte: mrgolightly)

Link permanente 2.509 notas

05 1 / 2014

38 músicas para lembrar de 2013

Ou: preciso ouvir mais hip hop.

Para baixar os arquivos em mp3 e a playlist do iTunes, clique aqui (250mb).

Para ouvir as músicas no Rdio, dê o play logo abaixo (ou abra aqui). Mas atenção: o serviço de streaming não disponibiliza algumas canções que entraram na lista. São elas: I Blame Myself, da Sky Ferreira; Javelin Unlanding, do Bill Callahan; Let Her Go, do Jagwar Ma; Demon to Lean On, do Wavves; e In Another Way, do My Bloody Valentine. Essas você só encontra no arquivo zipado com as mp3. ;-)

(Um monte de músicas de 9 minutos! Yay!)

  1. Darkside - The Only Shrine I`ve Seen
  2. !!! - One Girl/One Boy
  3. Party Supplies - Beautiful Girl
  4. Disclosure - Confess to Me
  5. Cut Copy - We Are Explorers
  6. Holy Ghost! - Bridge and Tunnel
  7. Daft Punk - Giorgio by Moroder
  8. Javelin - Airfield
  9. Blood Orange - Uncle Ace
  10. Sky Ferreira - I Blame Myself
  11. Flume - Sleepless
  12. Jagwar Ma - Let Her Go
  13. Justin Timberlake - Mirrors
  14. Vampire Weekend - Unbelievers
  15. Foxygen - No Destruction
  16. Los Campesinos! - What Death Leaves Behind Me
  17. Elf Power - Darkest Wave
  18. Eleanor Friedberger - Stare at the Sun
  19. Youth Lagoon - Third Dystopia
  20. Majical Cloudz - Childhood’s End
  21. Arcade Fire - It’s Never Over (Hey Orpheus)
  22. The Knife - Without You My Life Would Be Boring
  23. Fuck Buttons - Prince’s Prize
  24. Julia Holter - Horns Surrounding Me
  25. Bill Callahan - Javelin Unlanding
  26. Unknown Mortal Orchestra - So Good at Being in Trouble
  27. Kurt Vile & The Violators - KV Crimes
  28. Parquet Courts - Borrowed Time
  29. Wavves - Demon to Lean On
  30. Thee Oh Sees - Toe Cutter - Thumb Buster
  31. Deerhunter - Monomania
  32. Boogarins - Lucifernandis
  33. These New Puritans - V (Island Song)
  34. My Bloody Valentine - In Another Way
  35. Deafheaven - Dream House
  36. Kanye West - Black Skinhead
  37. Danny Brown - Smokin’& Drinkin’
  38. HAIM - If I Could Change Your Mind

04 1 / 2014

Meus discos preferidos de 2013

Foi o ano em que mais ouvi música em toda a minha vida. A lista completa você pode ver clicando aqui, mas o top 10 ficou assim:

10. Deafheaven - Sunbather
image

9. Cut Copy - Free Your Mindimage

8. Darkside - Psychicimage

7. Blood Orange - Cupid Deluxeimage

6. Disclosure - Settleimage

5. Kanye West - Yeezusimage

4. Daft Punk - Random Access Memoriesimage

3. Arcade Fire - Reflektorimage

2. My Bloody Valentine - mbv
image

1. Vampire Weekend - Modern Vampires of the City
image

==========================================================

SHOWS

No Brasil:

1. Bruce Springsteen (Espaço das Américas)
2. Grizzly Bear (Cine Joia)
3. Beck (Planeta Terra)
4. The Cure (Anhembi) 
5. Beach House (Cine Joia) 
6. Café Tacvba (Teatro Bradesco)
7. Queens of the Stone Age (Lollapalooza) 
8. Bob Mould (Sesc Pompeia)
9. A metade que vi do Blur (Planeta Terra) empatado com Stephen Malkmus and the Jicks (Beco 203)
10. Hot Chip (Lollapalooza) 

Fora do Brasil:

1. Deerhunter (Primavera Sound, Barcelona, Espanha)
2. Leonard Cohen (Sydney Entertainment Centre, Sydney, Austrália)
3. Neutral Milk Hotel (Enmore Theatre, Sydney, Austrália)
4. My Bloody Valentine (Primavera Sound, Barcelona, Espanha)
5. Blur (Primavera Sound, Barcelona, Espanha)
6. Nick Cave & the Bad Seeds (Primavera Sound, Barcelona, Espanha)
7. Tame Impala (Primavera Sound, Barcelona, Espanha)
8. Thee Oh Sees (Primavera Sound, Barcelona, Espanha)
9. The Breeders (Primavera Sound, Barcelona, Espanha)
10. Local Natives (Primavera Sound, Barcelona, Espanha)

18 12 / 2013

Originals, um projeto no Catarse

Alguns de vocês acompanharam o flood que promovi nas últimas férias, percorrendo Austrália e Nova Zelândia em um mês (hihi).

Conto pra todo mundo que voltei apaixonado pelos dois países. Que nunca vi lugares tão bonitos e cidades tão habitáveis. Que conheci muita gente interessante e fiz novos amigos. Que voltei de lá relaxado e muito inclinado a mudar algumas coisas na minha vida (aquele povo sabe viver bem, de fato). Pra todo mundo que me pergunta se vale a pena encarar a longa viagem até lá, digo sempre: vá. Não tem como se arrepender.

Mas se algo me decepcionou nisso tudo foi o que NÃO vi na Austrália: a cultura aborígene. A impressão que tive é a de que o trauma das gerações roubadas e de outros maus tratos ainda é muito sentido, e que a população branca do país sente certa vergonha do assunto ou tenta não pensar nisso, mesmo com pedidos de desculpa do governo e algumas tentativas de remediar décadas de abusos.

Conheci Sydney, Brisbane e Stradbroke Island, na costa leste, mas fiquei com a impressão de que os aborígenes vivem isolados (no outback?) e que a herança mais visível da cultura nativa são apenas as palavras que batizam bairros e ruas. Em Sydney, o contato com eles esteve restrito a peças em galerias de arte e a um músico aborígene que tocava didgeridoo acompanhado de um sintetizador na Circular Quay. Quase uma atração de circo. Bem triste. 

Resumindo: sou um zero à esquerda em antropologia, mas acho que a situação por lá é bem próxima da dos índios brasileiros (com o agravante da colonização ter acontecido há menos tempo na Austrália).

Aqui vale dizer que na Nova Zelândia a impressão foi diferente: os maori parecem ser parte integrante e ativa das comunidades e governos. Têm uma história e cultura ricas que eu vi em todo lugar, inclusive em Auckland, a maior cidade do país.

***

Aguardem posts sobre essa viagem. Vão sair.

***


Toda essa longa introdução pra dizer que a querida Anita Martins e seu coletivo estão tentando financiar uma projeto muito bonito, o Originals, que pretende registrar histórias das populações nativas de todo o mundo. E eles querem começar pelos aborígenes australianos. 

Se você leu isso tudo sem se entediar profundamente, peço que dê uma olhada no link do projeto no Catarse e, se puder, ajude-os. É certeza de que sairá algo bastante importante daí! 

17 12 / 2013

Link permanente 63.144 notas

03 11 / 2013

Tem que se curtir, sim.

Tem que se curtir, sim.